BELEZA

Relatos de quem passou pela transição capilar

14:21

Relatos de mulheres que já passaram pela transição capilar

Passar pela transição capilar nem sempre é uma tarefa fácil, deixar de lado o cabelo grande, ouvir comentários maldosos, a insegurança de achar que aquele cabelo não combina com você, dificuldades de achar profissionais que "entendam" o cabelo crespo/cacheado, ou até mesmo nem saber como é o próprio cabelo (porque alisa desde criança), é uma período bem complicado, pelo menos para a maioria. Algumas mulheres não tem paciência e já fazem o BC (o famoso Big Chop, até dei dicas de cortes aqui). É uma fase de descobrimento, de mudança e até de amadurecimento. 
O mais legal de tudo isso também, é que cacheada tem ímã pra cacheada, incrível como vamos conhecendo tantas meninas legais, que estão passando pela mesma fase, e mais legal ainda é dividir as experiências, porque uma vai ajudando e inspirando a outra, foi o que mais me ajudou nessa fase. E pensando nisso, que vim mostrar para vocês alguns relatos de cacheadas que já passaram pela transição

Flávia Boudiny, Nova Olímpia-MT
"Poucas pessoas me perguntam como foi a transição, ou porque eu tomei a decisão de fazer o BC (big chop), elas já chegavam afirmando “é modinha né?”, sempre assim. Agora está mais tranquilo, sou uma pessoa conhecida onde moro, trabalho com fotografia, o que me faz ter muitos amigos e seguidores nas redes sociais, então eu fiz um post para explicar como estava me sentindo e também foi uma forma de responder a todos (alguns pessoas entenderam, outras não).
Escutei muitas coisas do tipo “estava melhor liso” ou “você vai deixar crescer né?
Dava aquele sorriso e “Aham tá, tchau”, pra não ser mal educada.
Não posso ter cabelo cacheado e curto #SQN
Resumindo, no começo não foi fácil, mas resolvi cortar sabendo que ia ser assim, então eu criei uma barreira onde só importava a minha opinião e as das pessoas as quais eu me importo."
Para ver o post da Flávia, clique aqui.

Gisele Godoy, Brasília-DF

"Tudo começou quando eu fiz luzes no cabelo, porque queria disfarçar alguns fios brancos. Não ficou na cor que eu queria, e então pintei por cima das luzes, meu cabelo começou a “emborrachar”, e então eu pensei, vou aproveitar que está todo mundo assumindo o cabelo, e vou assumir também.
Cortei. Confesso que no primeiro momento eu não gostei, pois foram 19 anos de chapinha. Depois fui me acostumando, aprendi a cuidar e usar os produtos certos, e hoje eu AMO meu cachos."

Marina Fernandes, Cuiabá-MT
"Na verdade, essa foi minha segunda transição, aos doze anos fiz um relaxamento para “soltar” os cachos, eu não suportava ter o cabelo armado, eu tinha vergonha, mas no fundo, apenas me preocupava com a opinião alheia. Mulher bonita tinha que ter cabelo liso.
E isso me resultou em um corte químico, perdi 80% do meu cabelo por causa da química, fiz o meu primeiro BC.
Cinco anos depois, meu cabelo estava todo natural (era lindo, mas eu não achava isso). Comecei a cursar a faculdade, praticamente todas as meninas de cabelo liso, alisei novamente, afinal, mulher bonita tem que ter cabelo liso.
Dessa vez meu cabelo não quebrou, eu cuidava e hidratava pra manter ele saudável e é claro, liso. Mas eu me sentia desconfortável todas as vezes que minha raiz crescia e ouvia comentários como “você não vai retocar a raiz?”, e me questionava até quando ia suportar isso, meu cabelo não é assim. Mantive alisado por quatro anos, prestes a me formar, quatro meses antes da formatura decidi assumir meu cabelo e nunca mais fazer química. Foi a parte mais dolorosa, perdi as contas de quantos comentários maldosos eu ouvi, disseram que eu ia ficar feia, que eu era bonita de cabelo liso e muitos outros comentários desnecessários.
Mas me mantive firme, tive apoio da família e alguns amigos (dava pra contar nos dedos), e de amigas que estavam passando pela mesma situação, esperei oito meses e realizei meu segundo BC.
Um ano e oito meses depois, cá estou eu feliz, me amando, me adorando e sendo linda exatamente como eu sou."


Se identificou com alguma situação? Conta sua história pra gente também!

Você pode gostar também...

0 comentários